Estamos juntos há tantos anos! À primeira vista, entendo o que você quer me dizer.

Nesse tempo, passamos por muita coisa. Eu sei tudo sobre você e você me conhece.

Tudo é previsível e claro. E sempre será assim. Eu pensava assim até que um dia o encontrei.

Ele é tão inesperado, ousado. Com ele, me torno outra mulher, até o reflexo no espelho mudou. Tudo o que interessava antes, foi pelo ralo. A voz do marido, antes tão querida, começou a incomodar.

As crianças ficaram muito barulhentas. O trabalho, do qual eu tinha tanto orgulho até recentemente, começou a parecer inútil. Tudo se desvanece no contexto de Deus, as causas da minha insônia. Está surgindo uma crise de meia idade?

Como permanecer neste balanço: hoje decidi firmemente que era hora de mudar tudo, se divorciar, enquanto havia tempo! E amanhã quero deixar tudo como está, porque o desconhecido assusta.

casal em discussao
casal em discussao

Como entender seus desejos: 9 passos para a cura

1. Reconheça que isso está acontecendo com você. Reconhecer um problema é o primeiro passo para resolvê-lo.

2. Não tome decisões vitais durante esse período – sob a influência de emoções, você pode fazer muitas coisas estúpidas.

3. Pare de se culpar por se tornar uma péssima esposa, mãe.

4. Faça uma pausa e tente se retirar para entender como viver mais e resolver suas emoções.

5. Cuide-se: faça um novo corte de cabelo, faça saúde, inscreva-se para dançar, ioga ou vocais.

6. E você não pode gravar em nenhum lugar: faça introspecção, mergulhe em si mesmo, encontre a causa raiz das emoções conflitantes. Para um homem em uma encruzilhada, isso é vital.

7. Mantenha um diário e confie a ele algo que o impeça de adormecer à noite e acordar de bom humor pela manhã.

Escrever sem autocrítica tudo o que vem à mente no momento, sem pentear a frase, sem pensar em erros.

8. Para fazer algo inesperado por si mesmo: ligar para alguém em que você costuma pensar, não procura nas redes sociais ou vai a uma cidade estranha no fim de semana.

9. Visite um local de poder. Este é um lugar onde você pode estar saturado de energia, se tocar sem máscaras e sem pressões da sociedade.

A decisão virá por si só. Talvez você realmente entenda que é hora de pular dessas mudanças e o divórcio será a melhor solução.

Ou talvez decida deixá-lo como está. Mas você já examinará a situação através do prisma de maturidade e sabedoria, o valor de cada momento passado com seus entes queridos.

O especialista explica: É por isso que você precisa mudar de parceiro

O amor é: aceitar o seu parceiro como ele é. 

Até que foi confrontado com um novo ponto de vista quase radical.

Minha namorada e eu somos um casal há dois anos. E eu afirmo: você pode ver isso. Quando olho para mim mesma e faço um balanço, vejo que ela quase me refez o vestido no primeiro ano de nosso relacionamento.

A maior intervenção, quase um ataque ao meu antigo eu: chinelos! Não qualquer um, mas esses ecologicamente corretos feitos de feltro. Deu para mim. Alguns anos atrás, a palavra sozinha teria bastado para zumbido em meus ouvidos. A meu ver, os chinelos eram a aliança de casamento alternativa.

Depois, as novas meias. Fabricado em fibras de bambu. Eu nunca teria pensado que fosse possível. Eu particularmente não gosto de bambu, mesmo no meu prato. Feito em meias, fica muito bem com jeans desbotados. Talvez eu deva dizer brevemente: Minha namorada trabalha na feira e, se você quiser, na progressiva indústria têxtil.

Ela me deixa saber claramente o que não combina com ela

Ela também é muito generosa. Tanto no bom quanto no menos sensato. Também no sentido de divulgar a sua opinião. Por exemplo, ela gosta de me deixar saber muito claramente o que gosta ou não gosta em mim, minha aparência e meu comportamento. Se, por exemplo, sou muito descuidado com ela ou com minha velha mãe. Mais uma vez não ouvi (o clássico) nem me expressei criticamente de suas filhas, recebo uma proposta clara, digamos: de mudança.

Modular meu parceiro sempre foi um impedimento absoluto para mim

A grande arte do amor genuíno, ou seja, amor altruísta destinado a mim – um tanto transfigurado – aceitar o parceiro como ele é. Especialmente quando você não tem mais 20 anos, mas é adulto, ou seja, tem mais de 40 anos e tem opiniões sólidas sobre chinelos, meias de bambu e outras peculiaridades.

Aceitei a “manipulação” da minha namorada porque suas táticas são muito inteligentes. Eu chamo isso de “fogo amigo”: não só reclama, mas também elogia. Quando conheço Christian Thiel, uma conselheira solteira e parceira em Berlim, descubro que ela está pelo menos certa. Ele tem uma opinião clara, quase radical. Ele diz: 

“O relacionamento é um veneno para a individualidade.” 

Especialista diz: “Você TEM que mudar o parceiro”

A resolução romântica de tomar o ente querido por quem ele é dificilmente sobrevive aos primeiros doze meses – isto é, a época do alto-dia hormonal, de estar apaixonado. Em outras palavras: “Você não pode simplesmente mudar de parceiro, você ainda tem que mudar!” Christian Thiel acredita que, se você deixar de agir, estará agindo de forma quase negligente, porque simplesmente não faz o suficiente para si mesmo e para suas necessidades. E isso geralmente não leva a nada – exceto frustração.

“Nossa capacidade de compreensão tem limites”, diz o especialista. Pesquisas, acrescenta, mostraram que aceitar todas as peculiaridades perturbadoras do parceiro geralmente não leva a mais união, mas à alienação. Muitos casais fazem isso por anos e, por meio de uma suposta tolerância, minam completamente seu relacionamento. “Se você não quer negar a si mesmo constantemente, precisa ser realista!”, Diz Thiel. Deixar o parceiro como ele é não é um deles.

Você pode e deve desejar qualquer coisa!

Mas não é preciso diferenciar entre vontade criativa externa (meias de bambu) e vontade criativa mais profunda? “Você é sempre tão negativo! Suas dúvidas me dão nos nervos e me arrastam para baixo”, diz meu amigo quando volto a me entregar à melancolia nórdica.

“Contanto que não haja tentativa de distorcer o caráter de uma pessoa, mas apenas seu comportamento, tudo bem”, diz Christian Thiel.

Você pode e deve desejar tudo de e em um relacionamento. Se, por exemplo, a outra pessoa sempre se comporta sem amor ou egoísmo em certas situações – talvez sem perceber – a aceitação não ajuda em nada; Tolerância ao ponto de abnegação não funciona.

Uma coisa, porém, não é permitida: reclamar de desagradáveis

Porque a crítica e o ataque levam, a longo prazo, à autodefesa e à resistência. Especialmente quando se trata de coisa real. Quem reclama quase sempre perde. A única condição de Christian Thiel: “Por favor, seja sempre educado.” A mudança nunca deve ser forçada por meio de irritação e negatividade. “Acusações sempre significam que eu não assumo a responsabilidade por meus sentimentos; acusações implicam: estou insatisfeito e você é o culpado por isso. O pensamento básico deve ser: Porque você vale a pena para mim – se nos sentirmos amados e notados, então também estamos mais dispostos a mudar. “

A propósito, as mulheres têm uma probabilidade significativamente maior do que os homens de ficarem insatisfeitas com seus parceiros e de querer mudá-los. A lista de desejos costuma ser longa, a classificação é bem conhecida: mais intimidade na conversa; mais ternura; mais apoio no lar, na educação dos filhos; um, possivelmente até dois, ouvidos abertos para seus pensamentos sem receber qualquer conselho dos professores depois.

Mas por que sempre mulheres? “Simples preguiça por parte dos homens”, diz Thiel. Freqüentemente, eles nem percebiam que algo estava indo mal em sua parceria. Amargo, mas verdadeiro.

Aqueles que discutem ainda vivem e amam

Sua essência? Onde exatamente está o ponto de inflexão em que a afeição, possivelmente a aversão e o amor se transformam em sofrimento?

Normalmente, chega a hora em que não há mais benevolência, mas apenas desprezo pelo outro. Quando o respeito um pelo outro diminui e ambos se consideram culpados. Ou indiferença absoluta.

Quando nenhuma crítica for feita, quando um chegar a um acordo com as peculiaridades do outro sem dizer uma palavra. Quando não houver mais meias de bambu doadas por agricultores e arbustos felizes. Se, como no meu caso, toda a dúvida melancólica simplesmente transparecesse e não provocasse nenhum atrito. Aqueles que discutem ainda vivem e amam.

Só o que repele pode atrair

Talvez seja por isso que se deva cantar a canção de louvor à polaridade de novo brevemente no final. E, assim, elogie o campo de força entre as grandes e pequenas diferenças que não podem ser alteradas. Porque senão vai ficar chato em algum momento. Assim, sem qualquer atrito, dentro e fora da cama de casal. Só o que se repele pode se atrair. Seria uma pena a reconciliação.


Você também pode gostar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *