Como motivar um homem a se tornar um bom pai?

Na minha frente está a mãe de um bebê de três anos. Ela está um pouco arrumada, cansada, triste nos olhos.

A mulher diz que a criança não a obedece e que já não há meios (nem bons nem ruins) de ajuda.

Casos de birras e pesadelos tornaram-se mais frequentes no bebê; várias doenças são facilmente “grudadas” para ele.

Como psicóloga infantil, faço a pergunta:

– Diga-me, por favor, e quando foi a última vez que você teve um dia de folga?

Eu quero dizer? – minha mãe pergunta perplexa.

– Bem, quando você poderia sair por algumas horas, deixando de desempenhar o papel de mãe e fazer algo agradável para si mesmo (e comprar mantimentos em uma loja não é o caso)? Você sabe qual resposta entre meus clientes ouço com mais frequência?

Vamos votar? Qual resposta você escolhe?

  1. Há um mês.
  2. Eu não me lembro já.
  3. Nunca

Nas minhas consultas, ouço frequentemente a terceira resposta. Ou seja, “Nunca”.

Acontece que a mãe do bebê durante três anos de sua vida não teve um único fim de semana completo “para si mesma”

casal feliz com crianca
casal feliz com crianca

E qual o papel do pai?

Por alguma razão, aconteceu em muitas famílias que o pai só conhece seu filho quando ele começa a andar e conversar.

Cuidar de um bebê (cólica, trocar fraldas, tomar banho, pagar uma caminhada) – tudo isso está além das capacidades do pai.

Se na sociedade existem homens envolvidos ativamente no bebê, eles são considerados quase super-heróis! Vejamos 2 cenários.

Mãe heroína e pai infeliz

Começamos desde o primeiro dia, assim que o bebê apareceu na casa dos jovens pais.

Aqui ele é tão rosado, com bochechas carnudas e pele de mármore no berço, e o jovem pai e mãe se inclinam sobre ele e olham para ele com olhos amorosos.

E de repente o bebê gritou: ou algo o estava penteando, ou algo o esfaqueou em algum lugar, ou ele ficou com medo … O que devo fazer?

Neste momento, ambos estão perdidos: pai e mãe. Mas todo mundo acredita que uma mulher tem um instinto maternal que lhe dirá imediatamente qual é o problema.

E mesmo que ela não o veja agora, não sinta, não perceba, mas a jovem mãe acredita nisso, agarra o bebê, começa a sacudi-lo e a procurar os motivos de seus caprichos.

Papai, neste momento, silenciosamente se afasta. E o bebê grita e grita. A avó vem correndo, o pai é enviado para outro quarto e as próprias mulheres estão tentando acalmar o bebê.

Ninguém acredita no papa, ou no fato de que ele será capaz de resolver esse problema. E o próprio homem perde a fé em si mesmo.

Vez após vez que ele é deixado de lado, sua mãe assume todas as responsabilidades de cuidar do bebê nos ombros.

Um homem secretamente sente seu fracasso, inutilidade. Especialmente se o bebê costuma ser travesso, e o pai é despejado em outra sala. A criança ocupa um lugar de honra na cama com sua mãe.

Mamãe fisicamente não pode tirar um dia de folga e, mesmo que ela saia por algumas horas, ela se preocupa se está tudo bem com a criança. Pai inexperiente constantemente a chama.

Isso não pode ser chamado de férias. No contexto de esgotados recursos físicos e emocionais, bem como da vida isolada do mundo social, essa mãe se divide com parentes e amigos, castiga constantemente a criança e, em geral, é muito infeliz.

Mas será que uma criança será feliz se projetarmos nela a negatividade acumulada?

O que acontece em tais famílias a seguir? Um homem tenta se afirmar: imerso no trabalho, em outros relacionamentos, ele tem maus hábitos. O problema aumenta como uma bola de neve.

casal cuidando do filho
casal cuidando do filho

Pai – suporte

Voltaremos novamente no primeiro dia em que o bebê foi trazido do hospital. Ele gritou.

Mãe experimentou uma reestruturação hormonal do corpo durante a gravidez, agora há mudanças no corpo durante a lactação, contra as quais o estado emocional é muito instável.

No contexto de todas as mudanças e choques, uma garota nesse período tende a tomar decisões impulsivas e precipitadas.

O corpo do papa, além do estresse psicológico, como um todo permaneceu o mesmo. De qualquer forma, prudência, propensão à análise e bom senso e menos emocionalidade são mais características dos homens.

Portanto, mesmo em uma situação extrema, é muito importante confiar no seu Homem, que navegará rapidamente na situação e poderá resolver o problema

Um jovem pai pode não apenas aprender a cuidar de um filho, mas também tomar decisões responsáveis, afirmar-se no papel de pai!

E então ele não ficará entediado! Quanto mais ele investe em um bebê, mais rápido seu amor e afeição crescerão.

Quando a mãe quer relaxar, ela pode sair com calma por várias horas, sem se preocupar com o bebê.

O próprio pai decidirá o que vestir na rua, como tomar banho, o que alimentar, quais procedimentos fazer.

E o bebê como resultado receberá tanto a comunicação com o pai quanto a mãe feliz e descansada. Afinal, como eu sempre digo, educamos as crianças não em palavras e anotações, mas em nós mesmos e em nossa condição.

A mãe descansada e cheia é muito mais eficaz e, com a próxima brincadeira, a criança não se desfaz dele, mas será capaz de avaliar corretamente a situação e encontrar uma solução.

Nos últimos anos, tenho visto cada vez mais pais envolvidos ativamente na criação dos filhos. Na minha família, a educação dos meus filhos, gêmeos, ocorreu de acordo com o segundo cenário. E há toneladas de vantagens!

Resumo

Como atrair um marido para criar um filho e não enlouquecer:

  1. Delegue parte das responsabilidades ao seu cônjuge. Não tenha medo, ele vai lidar com eles.
  2. Peça suas opiniões, conselhos. Ajude a estabelecer-se como pai.
  3. Às vezes, organize um dia de jejum. Uma mulher que, sem dias de folga e férias, trabalha como “mãe” moralmente se cansa e se queima. Converse com seu marido, explique que você também precisa de tempo para si mesmo.

Related Posts

Comments

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Stay Connected

0FansLike
3,036FollowersFollow
0SubscribersSubscribe
spot_img

Recent Stories