Criancas falando sobre sexo

Como em diferentes países as crianças são informadas sobre sexo

O sexo sempre foi o assunto sobre o qual é costume falar em voz baixa. Isso pode ser percebido tanto de maneira positiva quanto negativa.

Por um lado, preservamos o mistério de nossas vidas pessoais, protegemos as crianças da separação precoce da infância.

Mas, por outro lado, não sabemos quase nada sobre sexo, aprendemos tudo de fontes não confiáveis ​​e uma viagem a um sexólogo, ginecologista e urologista se transforma em uma tragédia.

A principal razão para esses problemas reside na educação das crianças, sua educação sexual. Uma criança pode ter uma visão distorcida do sexo, o que colocará fantasias repugnantes, incompreendidas e doentias em sua cabeça.

É por isso que é tão importante conversar com as crianças sobre “aquilo”.

Educação sexual e idade de consentimento

As escolas e os programas de educação voluntária geralmente assumem a responsabilidade de introduzir as crianças no sexo.

O governo também não se destaca e estabelece limites claros para a idade em que a vida sexual é considerada legal a pedido dos parceiros.

A idade do consentimento sexual das Filipinas a partir de 12 anos. Na Espanha e Coréia do Sul, a partir de 13, na China, Itália e Bulgária, a partir de 14. Na França, Polônia e Romênia a partir de 15, na Ucrânia, Rússia, Nova Zelândia e Cuba a partir de 16. E em Malta, Haiti e Ruanda desde os 18 anos.

No total, diferentes países permitem que as crianças façam sexo dos 12 aos 18 anos. É interessante como os métodos de criação dos filhos diferem e como eles os dedicam às realidades da vida adulta.

Esse conhecimento pode ser realmente útil. Você pode usá-los para a preparação precoce de crianças para o que elas já reconhecem na rua e para proteger seu filho de relações sexuais precoces.

C
Por que você precisa conversar com seu filho sobre sexo

Educação sexual na América

Os programas de educação sexual começaram a aparecer em instituições educacionais nos Estados Unidos desde os anos 40. Até 2018, eles cobriam 93% de todas as escolas públicas e contavam com o apoio dos pais dos alunos.

No entanto, os resultados desses programas deixam muito a desejar.

O principal objetivo da educação sexual para jovens norte-americanas era combater a gravidez na adolescência, valores fracos e aids. Comparando esses dois indicadores com os europeus, os Estados Unidos reconheceram uma derrota completa diante dos programas da Grã-Bretanha, Canadá, França e da maioria dos países da Escandinávia.

E, no entanto, o que as crianças americanas aprendem na escola em educação sexual?

A influência da igreja e as tendências atuais

A maioria das aulas de educação para jovens é conduzida por fãs da igreja. Naturalmente, eles têm uma visão bastante peculiar do sexo e tudo relacionado a ele.

Isso causa indignação entre os pais, porque as crianças aprendem que sexo = pecado. As meninas que tiveram experiência sexual são comparadas com uma coisa usada e, em vez da educação, são vitimas de bullying.

Mas o tempo não pára e o sexo está lentamente, mas seguramente, se tornando um tópico menos vergonhoso. Isso permite que os professores falem calmamente às crianças sobre coisas estranhas.

Alguns até incorporam a idéia de levar conhecimento sobre sexo para as massas, mas se deparam com outro problema.

Cada estado tem suas próprias leis e regulamentos sobre educação sexual. Por exemplo, no Mississippi, os professores são obrigados a falar sobre preservativos. Mas mostrar claramente como usá-los é simplesmente proibido por lei.

Os professores são colocados em uma estrutura clara, que às vezes se supera, forçando a improvisar.

Afastando-nos dos extremos da igreja, passamos aos extremos de gênero – a tendência do futuro. Se as crianças mais velhas aprendiam a tolerar e respeitar os representantes da comunidade LGBT, agora novos pensamentos e idéias sobre a plena igualdade de gênero estão sendo promovidos.

Tudo começou com o forte crescimento do movimento feminista. Com o tempo, os ideais do feminismo se fundiram com os ideais das pessoas LGBT e se transformaram no que ouvimos agora – o sexo da criança não é determinado desde o nascimento, ele faz sua escolha. Isso transforma todo o sistema dos pais.

Embora isso não se torne uma norma aceita, muitas escolas nos EUA estão falando ativamente sobre escolhas de gênero, tipos de sexualidade e como implementá-las.

Assim, na busca da tolerância, a América, da luta contra a Aids e a gravidez na adolescência, chegou a inúmeras histórias de pessoas bi e transgêneros.

Educação sexual na Europa

Já mencionamos que os Estados Unidos reconheceram a eficácia dos programas europeus de educação sexual. Em 1955, as primeiras lições em educação sexual foram introduzidas na Suécia.

Depois de 15 a 20 anos, outros países europeus desenvolvidos seguiram o exemplo e começaram a introduzir programas semelhantes.

A Europa Oriental aderiu a esse movimento somente após o colapso da União Soviética, que refletiu sobre a atitude atual dos cidadãos da CEI de falar sobre sexo na escola.

Além disso, os pais costumam reclamar da falta de competência dos professores nas “aulas de puberdade”.

Valores europeus

A Holanda é legitimamente considerada a líder da educação sexual entre os países da Europa Ocidental. O método holandês é reconhecido mundialmente e mostra as menores taxas de gravidez na adolescência.

O segredo da Holanda é a introdução da educação sexual em crianças de pouca idade – de 4-7 anos.

Em quase todas as escolas, o desenvolvimento sexual e o sexo fazem parte das aulas de biologia, e a contracepção é discutida em mais da metade das escolas em todo o país.

Além da Holanda, França, Alemanha, Finlândia e Suécia ocupam posições de liderança em baixos níveis de gravidez na adolescência. Além das primeiras lições de ética sexual, elas realizam campanhas de distribuição de preservativos nas séries 8ª a 9ª.

A Suíça também mostra bons resultados, mas distribui preservativos opcionalmente para estudantes do ensino médio.

A Dinamarca começou a seguir a Holanda para introduzir a comunicação sobre relacionamentos nos programas do jardim de infância. 

Um olhar mais atento aos países escandinavos pode nos surpreender com muitas coisas que nos parecem estranhas e até vulgares. Assim, na televisão norueguesa, você pode ver uma curta série “Pubertet”, que conta aos jovens telespectadores sobre mudanças no corpo durante a adolescência.

É curioso que os nomes dos órgãos genitais não sejam cobertos por estames tímidos, mas sejam chamados diretamente – pênis, vagina, lábios.

Sugerimos que você, por seu próprio risco e risco, assista a alguns episódios de Pubertet e entenda o que é a educação sexual escandinava.

Em todos os aspectos, o Reino Unido fica atrás desses países. Tudo devido ao crescente conservadorismo do reino em relação a questões de sexo e puberdade.

Por exemplo, no Reino Unido, a educação sexual não é necessária e só é adicionada ao programa a pedido dos pais. Nessas lições, trata-se apenas dos órgãos genitais, sexo e gravidez.

Conversas sobre contraceptivos e sexo seguro com uma demonstração adicional, apenas por iniciativa pessoal do professor. Lembrando o conservadorismo dos britânicos, poucas pessoas se atrevem a fazê-lo.

No entanto, o Reino Unido chamou a atenção para o sucesso do método holandês e, em março de 2017, anunciou sua implementação no sistema educacional em todo o país. O novo programa começou a operar em 2019 e repetiu os sucessos de seus vizinhos escandinavos.

mulher feliz na cama
mulher feliz na cama

Educação sexual na Ásia

A educação sexual na Ásia enfrenta muitos desafios, sendo o principal o conservadorismo e a hostilidade às tendências ocidentais.

As lições de sexo e puberdade são percebidas pela maioria como tentativas de corromper a geração mais jovem e impor “valores ocidentais”.

A questão da educação sexual é muito aguda na Índia, que ocupa uma posição de liderança em termos de número de estupros e violência doméstica.

Mais de mil estupros por ano são cometidos por adolescentes, portanto, conversar e trabalhar com crianças é uma obrigação.

No momento, o único lugar em que crianças em idade escolar e adolescentes podem aprender e conversar sobre sexo e desenvolvimento sexual é o centro voluntário da YP Foundation em Delhi.

Essas organizações operam na Ásia, África e América do Sul. O governo da Índia, por sua vez, não considera importante fazer alterações na situação.

Países asiáticos como Bangladesh, Mianmar, Nepal e Paquistão têm problemas semelhantes. Anteriormente, Malásia, Filipinas e Tailândia também estavam nessa lista, mas agora o governo prepara sistematicamente e emite materiais destinados à educação sexual de crianças.

A Indonésia e a Coréia do Sul avançaram ainda mais, introduzindo palestras obrigatórias sobre sexo nas escolas e conduzindo sistematicamente aulas de educação sexual.

Japão e China

Esses dois países completamente diferentes têm duas abordagens completamente diferentes para a educação sexual de seus cidadãos.

Na Ásia, o Japão é um país líder em termos de educação sexual. Os japoneses não têm vergonha de uma abordagem ousada e até apresentaram seus sucessos na Conferência Mundial de 2010 em Genebra. 

Além das aulas na escola, desenhos animados e vídeos educativos sobre sexo e crescimento são produzidos no Japão.

Você pode até encontrar jogos de computador e mangá, quadrinhos japoneses, que são completamente dedicados à história de coisas como relações sexuais, órgãos genitais, padrões morais e regras de sexo.

Na China, tudo é diferente. Como país comunista, os chineses escolheram uma maneira única de contar às crianças sobre as características dos relacionamentos adultos. Em 2000, a Associação de Planejamento Familiar da China introduziu um projeto de cinco anos (como o plano soviético de cinco anos), cujo objetivo é bastante simples.

“Melhorando a educação em saúde reprodutiva entre adolescentes chineses e jovens solteiros”.

O projeto incluiu falar sobre sexo como uma das maneiras de mostrar amor, e questões como HIV e gravidez na adolescência foram levantadas.

Anteriormente, todo esse conhecimento também estava disponível gratuitamente, mas, para obtê-lo, a criança chinesa precisava ir à biblioteca pública de forma independente e procurar literatura chata, escrita em linguagem adulta.

Educação sexual na África

Se em todas as partes anteriores do mundo a principal prioridade da educação sexual era influenciar os valores morais e o nível da gravidez na adolescência, então na África tudo isso desaparece antes de um enorme problema – a AIDS.

É em conexão com a crescente epidemia de Aids que os países africanos aceitaram assistência, principalmente dos Estados Unidos, para introduzir programas de educação sexual no sistema escolar.

Infelizmente, porém, essa assistência se tornou volátil – os Estados não têm sido a fonte mais confiável de assistência.

A iniciativa do presidente Reagan, chamada de Ordem Global de Divulgação de Informações, limitou severamente a ajuda aos países africanos pobres na luta contra doenças sexualmente transmissíveis.

É curioso que, depois que o presidente Clinton chegou ao poder, a ajuda foi restaurada ao seu tamanho anterior. Depois que Bush chegou, a iniciativa voltou a devolver as forças que Obama se apressou a limitar, tornando-se o presidente dos Estados Unidos.

O que aguarda a África dependente da ajuda durante o governo de Trump? O tempo dirá.

Sucesso da África

Prestando atenção aos maiores sucessos na educação sexual, vale a pena mencionar dois países – Uganda e Egito. Além disso, os jornalistas gostam de falar sobre a África do Sul por causa de seu desenvolvimento e proximidade com o oeste. No final, também não nos lembraremos.

Uganda foi um dos primeiros a receber assistência educacional dos Estados Unidos. Os voluntários notaram lealdade da população e sucesso nos resultados da disseminação do HIV. Os nativos africanos ouviram e viram contraceptivos pela primeira vez, aprenderam sobre coisas como aborto e hormônios.

Com o tempo, o sucesso de Uganda conseguiu superar o Egito, que, graças aos turistas, absorveu os valores e conhecimentos ocidentais.

Atualmente, os alunos de 12 a 14 anos são informados na sala de aula sobre o que é o sexo, como as pessoas aparecem, como os órgãos genitais são formados, como se proteger e o que são doenças sexualmente transmissíveis.

A República da África do Sul é considerada o país mais “europeu” do continente africano. No entanto, existe simplesmente um problema aterrorizante – 28% das alunas da África do Sul estão infectadas pelo HIV devido ao sexo com homens mais velhos e ricos.

O ministro da Saúde, Aaron Motsoledi, afirma que entre esses 28% há meninas grávidas de 10 a 14 anos.

Futuro da África

Apesar de todos os esforços das autoridades, a maioria dos africanos continua a considerar a AIDS como um “presente” dos brancos para a destruição da população negra da África. Portanto, a ajuda e o conselho dos voluntários continuam sendo percebidos com críticas e desconfiança.

O fato de cada ano mais e mais africanos terem acesso a fontes de informação como a Internet e a televisão não pode deixar de se alegrar. A geração mais jovem compartilha conhecimentos importantes com seus pais, o que muda as tendências na disseminação não apenas da aids, mas também de outras doenças graves.

Agora, a África continua a usar a ajuda dos Estados Unidos e de outros países e está aceitando ativamente os programas de distribuição de preservativos da ONU, UNICEF e boletins rurais.

Isso dá resultados lentos mas confiantes, o que dá esperança para um futuro brilhante para o continente africano.

Conclusão

A educação sexual desempenha um papel importante na vida de todas as crianças. Permite-lhe olhar sensatamente para o sexo, realizar seu papel na vida humana.

Entenda o que acontece com seu corpo durante a puberdade, bem como as consequências que o sexo desprotegido com um parceiro desconhecido pode levar.

Os pais poderiam passar todo esse conhecimento para seus filhos. Mas eles não. Eles estão envergonhados, tímidos, porque ninguém lhes contou sobre sexo, todos aprenderam “na rua”.

Assim, com a ajuda de tais desculpas, mães e pais amorosos entregam seus filhos a seus próprios meios.

Como vimos, quanto mais desenvolvido é um pais, mais difundida é sua educação sexual.

A sociedade há muito tempo entende que o tabu em torno do sexo só traz danos, por isso é melhor encontrar uma maneira de contar tudo às crianças do que esconder tudo até o último momento.

O principal é seguir o processo educacional e não permitir que ele passe de educacional para propaganda. Assim, nos EUA, grupos de pais acompanham o que seus filhos recebem na escola.

Se eles consideram o material inaceitável, nada os impede de votar e substituir o professor ou mudar a própria escola.

Se os pais não querem que seus filhos aprendam sobre sexo na escola, eles podem usar materiais educacionais em casa.

Felizmente, existem cada vez mais livros infantis sobre sexo e puberdade, sem falar em desenhos animados e jogos educativos para computadores.

Não deixe as ruas educarem seus filhos

O futuro está na educação sexual. Devemos lembrar disso e acompanhar todo o mundo em desenvolvimento. 

Ainda em dúvida e com medo de falar sobre “aquilo”? Compre uma história em quadrinhos educacional e entregue-a ao seu filho, mencionando que é importante.

É melhor que seu filho ou sua filha obtenham conhecimento sobre sexo através de literatura especial do que ouvindo sobre tudo, mas de maneira pervertida, na rua ou na Internet.

Post criado 297

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts Relacionados

Comece a digitar sua pesquisa acima e pressione Enter para pesquisar. Pressione ESC para cancelar.

De volta ao topo