Castigar as crianças ou não: como fazer isso certo?

mulher brigando com o filho

“Pare no canto e pense no seu comportamento!” Devemos castigar a criança ou não: como fazer isso certo?

Punir uma criança ou não? Nesse assunto, é importante ver meu objetivo de longo prazo: como quero ver meu filho no futuro?

A punição o ajudará a ter sucesso ou eles apenas adicionarão complexos? Por exemplo, uma criança quebrou o brinquedo de seu irmão e foi punida por isso. Que conclusão ele pode tirar para si mesmo?

Da próxima vez que você precisar fazer isso em silêncio, para que a mãe não perceba – tudo ficará bem. O principal é não ser pego.

Mas os pais, com a ajuda de punições, queriam transmitir à consciência da criança algo completamente diferente: que suas ações magoavam outra pessoa e isso é ruim. 

Ou outro exemplo: a criança ficou com raiva e jogou a xícara no chão. Ela foi punida. O que ela entendeu? “Eles não podem ficar com raiva, vou reprimir meus sentimentos.”

Mas o objetivo era explicar que estragar objetos é ruim. Eles precisam ser protegidos, porque custam dinheiro, e mamãe e papai trabalham para comprá-los. E os pais também queriam dizer que a raiva deveria ser expressa de uma maneira diferente: não estrague objetos e não ofenda outras pessoas.

mulher educando filho
mulher educando filho

Efeitos colaterais da punição

Punição sem explicação, não educamos, mas treinamos. Uma criança toma uma decisão por medo, não por causa da consciência das consequências.

Ao punir, não educamos as crianças em princípios e valores morais e não ensinamos autocontrole.

Sob o controle dos pais, a criança pode ser “branca e fofa”, mas se você precisar tomar uma decisão em uma situação específica por conta própria, a criança ficará confusa, ela não aprendeu isso.

Outro efeito colateral da punição é a geração em uma criança de um sentimento de ressentimento e desejo de acertar as contas com o agressor.

Rudeza, notas baixas, negligência de deveres, deterioração das relações com a família – essas serão as manifestações da rebelião de uma pessoa pequena. Se as decisões de uma criança são tomadas por medo, como isso afetará sua auto-estima? As seguintes consequências das punições podem ser distinguidas:

  • a destruição da auto-estima;
  • cultivo de medo, ressentimento, vingança;
  • a criança acredita que a força bruta é a melhor maneira de fazer as coisas;
  • falta de confiança;
  • o desejo de esconder seus erros.

Pense nisso. A punição deve ser fundamentada: para transmitir sua ideia, você terá que explicar várias vezes por que precisa fazer isso e não o contrário.

Mas, a longo prazo, teremos uma pessoa que tome decisões informadas.

  • Ele não estraga as coisas, porque sabe o custo de conseguir elas.
  • Ele não ofende outras pessoas porque entende como elas serão dolorosas. E a criança sabe por experiência própria que é muito mais difícil estabelecer relacionamentos do que arruiná-los.
  • Ele ajuda porque quer ser útil, e não por medo de ser punido.

Em outras palavras, promovemos a responsabilidade e um senso de respeito mútuo. As crianças ouvem os adultos por duas razões: são respeitadas ou têm medo.

Até uma certa idade, o medo é uma forte motivação, mas se queremos manter um relacionamento caloroso e confiante com nossos filhos por um longo tempo e subsequentemente transferimos harmoniosamente do papel de um pai para o papel de um amigo, vale a pena escolher um caminho diferente.

Aprenda com os erros

Algumas situações ajudam seu filho a ganhar experiência. Bom, ruim, mas experiências! Os psicólogos dividem condicionalmente as situações em dois tipos: com consequências naturais e indesejáveis.

As consequências naturais são quando você dá ao seu filho a oportunidade de adquirir experiência. Você percebe um erro, mas deixe que ele sinta as consequências.

Por exemplo: a criança esqueceu os livros didáticos – receberá um comentário do professor. Esta é uma experiência adquirida.

É importante não adicionar mais ao fogo por repreensões: “Eu disse, mas você não ouviu”. A criança já recebe feedback do mundo.

Com tais observações, você apenas gera protestos nele e um desejo de agir apesar.

Há também situações em que as consequências naturais não são aplicáveis. Por exemplo, não se deve permitir que uma criança estude mal, para que, no futuro, entenda por experiência própria como será difícil viver na vida sem educação.

Além disso, esse método não pode ser usado em situações que ameaçam a vida da criança. Se ele estiver andando de scooter na estrada, sua reação imediata é necessária, e não as consequências naturais que podem levar à tragédia.

A segunda opção para influenciar o mau comportamento de uma criança são as consequências lógicas. Estas são as ações que você toma após o fato de um comportamento indesejado da criança. Essas ações devem ser:

  • previamente acordado com a criança, ele deve conhecer as consequências de comportamentos indesejados em uma situação específica;
  • diretamente relacionado ao comportamento indesejável: se as coisas dele estão espalhadas pela sala de qualquer maneira, ele deve encontrar tempo para limpar. Se quebrar uma coisa – deve corrigi-lo ou pedir desculpas;
  • exigir a organização de um adulto (isso difere das consequências naturais nas quais a intervenção dos pais não é necessária);
  • não devem ser acompanhados de moralização: eles podem anular o mecanismo de ação de consequências lógicas. Aprender através de um adulto calmo é muito importante.
casal com filha pequena
casal com filha pequena

Exemplos de consequências lógicas

Comportamento indesejado : a criança constantemente se comporta mal na loja ao fazer compras (faz barulho ou implora por brinquedos).

Consequências : saia imediatamente da loja. Essa opção deve ser previamente acordada com a criança e o adulto deve estar pronto para essa mudança de eventos.

É melhor não concluir a compra uma ou mais vezes e sempre fazê-lo com calma

Comportamento indesejado : recusa-se a colecionar brinquedos.

Consequências : após o tempo acordado, tudo o que não é coletado é enviado para a caixa ou bolsa e a criança não pode pegá-los por um determinado período (3-7 dias).

Comportamento indesejado: a criança não cumpre seus deveres (não empilha coisas, não limpa a sala e assim por diante).

Consequências : os pais dizem: “Vamos ter uma semana sem obrigações.” A criança é feliz, só que ela não leva em consideração que os adultos não preparam o café da manhã, não dão dinheiro ou ajudam nas aulas. Afinal, todos os membros da família vivem sem deveres.

Cada pai ou mãe deve adaptar as ações à sua situação. O principal é que eles devem ter como objetivo corrigir comportamentos indesejados e não parecer punição. A própria criança pode oferecer uma consequência lógica ou pode ser adotada como resultado de discussão no conselho da família.

Mas o pai deve ter suas próprias opções. As consequências lógicas são um mecanismo mais complexo. Eles exigem mais tempo e paciência dos pais. Mas este é um investimento na qualidade da sua vida e na vida do seu filho.

Como não se tornar pai tóxico e criar um filho adequadamente
Pai junto a familia feliz

Carta da Família

As regras devem ser definidas por ambas as partes no conflito (pai e filho). Discuta a questão em um tom amigável.

Instruções passo a passo para os pais

1. Anote o que você não se sente confortável no comportamento da criança, o que eu gostaria de corrigir.

2. Liste as três qualidades positivas de seu filho (filha). Isso é muito importante, porque se você se concentrar apenas no negativo, não poderá negociar em tom amigável.

3. Agora chamamos a criança e tentamos apresentar o problema de uma maneira acessível, usando as consequências e ações sobre o fato.

  • Em vez de dizer: “Você precisa escovar os dentes, caso contrário eles machucam”, explique: “Não tenho dinheiro extra para pagar pelo tratamento dos dentes”.
  • “Você precisa ir à escola, caso contrário, no futuro, não conseguirá encontrar um emprego normal”, substituímos por “Os professores me ligam e dizem que estão faltando aulas. Não sei o que lhes dizer. “
  • Não dizemos “coma brócolis, é bom”, explique “o brócolis é recomendado para todos”.

4. Conte-nos sobre seus sentimentos (estou bravo, me chateia …)

5. Peça a ele para compartilhar seus sentimentos. (Por que eu deveria fazer tudo …)

6. Escreva uma lista do que você pode fazer. Uma espécie de brainstorming. Permita que a criança participe da discussão e proponha suas opções.

Primeiro, ele começará a brincar e oferecer coisas estranhas: “Eu nunca vou escovar os dentes” ou “Eu não vou comer seu mingau”. Você expressa seu ponto de vista, há sempre algo para negociar!

7. Agora, nas opções escritas, você precisa escolher uma. Primeiro, entregue a lista à criança (se ela ainda não entender bem as letras, leia-a em voz alta), e deixe-a primeiro cruzar a opção que não lhe convém.

Faça isso de cada vez, para que uma opção permaneça – uma solução para o problema.

8. Concorde em seguir a opção selecionada.

9. Responda à pergunta: o que acontecerá se este contrato não for respeitado? Agora você está expressando as consequências lógicas.

10. Agradeça à criança por sua cooperação.

11. Pergunte a si mesmo: “Essa experiência beneficiou a mim e a meu filho?”

Vejamos um exemplo

Mamãe diz ao filho: “Entendo que você está com medo e sozinha, mas se você vier ao nosso quarto à noite, seu pai e eu não conseguiremos dormir direito!.

Vamos pensar em como resolver esse problema. ” Durante a discussão, as seguintes opções são exibidas:

  • A criança dorme com a luz acesa.
  • Mamãe o deixa dormir na cama dela.
  • Duas vezes por semana, ele pode dormir no quarto dos pais em um colchão de ar.
  • O filho (filha) permanece em seu quarto.
  • Uma ou duas vezes por semana, ele pode dormir no quarto do irmão mais velho.

Como alternativa, o filho e o pai cruzam as opções até que haja um compromisso. Por exemplo, duas vezes por semana ele pode dormir no quarto dos pais.

Mamãe e papai têm tempo para a vida pessoal e a criança está satisfeita, porque seus requisitos também são levados em consideração. Trabalhe em cada comportamento indesejado separadamente, por sua vez, e não de maneira complexa. Corrigido – vá para o próximo.

Se você quiser pegar um cinto, pare! Como punir uma criança sem violência?

Punição para a criança: como deveria ser? Cada pai ou mãe tem sua própria opinião sobre esse assunto, mas este artigo o ajudará a expandir seu conhecimento e, possivelmente, mudar os princípios.

Sou mãe de duas meninas, minha abordagem à educação é muito gratuita, mas isso me permite manter excelentes relações na família.

“O sensível não pune porque um crime foi cometido, mas indica que ele não deve ser cometido no futuro” – Platão.

Comecei com essa citação, porque a percebo como a base do mecanismo de punição.

O significado de qualquer punição é a consciência da criança de dois conceitos: ruim e bom.

É importante explicar as consequências negativas que esse ou aquele ato pode levar. Punição sem argumentos não produzirá nenhum resultado.

Memorando para os pais

É importante lembrar: para que a punição beneficie a criança, se torne uma medida educacional, várias regras devem ser observadas.

1. Não faça mal . A punição não deve prejudicar a saúde do seu filho. Não deve afetar sua psique.

2. Oportunidade . Nenhuma punição por má conduta que não seja cometida no momento.

A criança deve entender claramente o que aconteceu e o que está errado no exemplo de uma situação específica.

3. Não intimide . A criança não deve ter medo dos pais. Você precisa ter medo das aflições dos adultos.

É importante explicar que os pais estão aborrecidos, ofendidos, desagradáveis ​​- isso é suficiente para despertar culpa na criança.

4. Não humilhe ! Este é um ponto muito importante. Quaisquer insultos podem ferir e prejudicar a psique.

Manter o controle das palavras é muito importante. Não diga à criança que alguém é melhor que ele – as comparações em qualquer idade são percebidas com muito sofrimento.

5. Dê bons exemplos de bom comportamento. Por exemplo, em uma caminhada, observe a criança que o homem segurou a porta para você, ajudou a carregar a mala e o aluno deu lugar ao transporte público.

Como você pode punir uma criança?

A principal coisa que gostaria de observar: seja calmo e decisivo. Sua pena pode fazer uma piada cruel: as crianças se sentem frouxas e manipularão seus sentimentos no futuro.

Seja ao mesmo tempo com o segundo pai: não permita situações em que um lado esteja punindo, o outro seja reconfortante e arrependido.

Como punir uma criança sem cinto?

1. Punições disciplinares. Esse é um tipo de punição quando uma criança tem que resolver uma má conduta.

Por exemplo, limpe o lixo, lave as paredes pintadas, se ele as escreveu intencionalmente.

A criança deve fazer esse trabalho por conta própria, a fim de corrigir os danos causados.

2. Privação de coisas agradáveis . Você não deve privar uma criança de comida, água, caminhadas – isso já parece uma tortura.

Privar significa limitar as emoções agradáveis ​​que a criança recebe, por exemplo, de brincar no computador, ir ao circo, cinema e passeios.

Sua decisão deve ser explicada: “Como você quebrou sua xícara intencionalmente hoje, meu pai e eu não permitimos que você assista desenhos animados”.

3. Uma pausa . Convide uma criança delinqüente a pensar em seu comportamento. Deixe-o ficar sozinho, em seu quarto, sem gadgets e jogos.

Lock não vale a pena, prejudica a psique. Esse tipo de punição é adequado para crianças de diferentes idades, mas vale a pena fazer ajustes para a idade.

Os psicólogos infantis aconselham: 2 minutos de isolamento por cada ano da criança. Ou seja, se a criança tem cinco anos, dez minutos são suficientes para “pensar e perceber os erros”.

4. Desculpas . Dizer “Desculpe” é tão simples, então por que as crianças se recusam a dizer a palavra? Razão: orgulho e falta de vontade de admitir seu erro.

Peça à criança ofensora que diga as palavras mágicas: “Com licença, por favor”. Você não apenas o ajuda a perceber seus erros, mas também inculca maneiras culturais.

Conclusão

Punição para uma criança, o que deveria ser? Fiel, oportuno, construtivo.

Os psicólogos recomendam levar em consideração a idade da criança ao escolher punições. Apoio as recomendações sobre a idade: não faz sentido punir um bebê com menos de 2,5 anos de idade.

Qualquer punição deve ser consciente e compreensível. E não se esqueça de dar um bom exemplo – esta é a melhor coisa que você pode fazer pelos seus filhos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assuntos relacionados